10 músicas nacionais que são versão brasileira de 10 músicas internacionais (parte 2)

headphones-music-notes-wallpaper

Olá, petizada. Mais uma vez estamos aqui reunidos em nome das curiosidades musicais e vamos fazer a segunda e última parte do post 10 musicas nacionais que são versão brasileira de 10 musicas internacionais.

Algumas pessoas vão estranhar a falta de nomes como Sandy e Junior e Latino, mas se eu fosse me ater a eles, faria um doutorado, pois sabemos que muitas versões nacionais saíram de seus discos.

A Jovem Guarda foi um período de intensa “nacionalização” da música. Também merece um capítulo à parte, porém não posso deixar de citar o “rei” dessa geração, Roberto Carlos, que ao lado de seu companheiro de composição, Erasmo Carlos, faziam versões de músicas que eles gostavam. Como não sabiam inglês, inventavam as letras em cima da melodia e assim criaram grandes hits radiofônicos na época.

Uma delas é O Calhambeque, escrita por Erasmo e gravada pelo Roberto em 1964, que conta as aventuras de um playboy, que deixou seu Cadillac num mecânico, que num apoio emprestou um velho calhambeque para o rei não ficar na sola. No começo ele não gosta, mas no final escolhe o carango como seu. Essa música é uma versão de Road Hog, gravada em 1962 por John D. Loudermilke, um americano que se baseou numa canção de 1924 (Ground Hog) para compor uma homenagem a sua esposa. Dois anos depois o Brasil conhece a versão nacional e que assim fica como uma das diversas canções imortalizada por Roberto Carlos.

Betão cantava: Meu Cadillac, bi-bi / Quero consertar meu Cadillac / Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi! Já na outra versão… O mesmo texto era: Dono da Estrada / beep do do do do; / Dono da Estrada, beep do do do do

A segunda musiqueta da lista causou um certo furor em 1989 ao ser tema do personagem principal da novela Top Model. Nessa época eu era noveleiro, ainda mais de uma novela que se passava na praia e era cheio de tramas no estilo Armação Ilimitada, que tinha o Nuno Leal Maia, Evandro Mesquita, entre outros no mundo do Surf e esportes radicais, embalados por uma trilha sonora de peso (tinha até Led Zeppelin na internacional e pasmem, Os Cascavaletes com Nega bombom. Imagina que louco você assistindo novela e o refrão Punhetinha de verão rolando na sala) e era assim que conquistava aquela molecada que acompanhava o desenvolver.

Numa época bem pré internet, Kiko Zambianchi lançou Hey Jude. Que a maioria das pessoas achavam ser uma composição própria, para alguma garota sofrida. Lógico que alguns dinossauros já sabiam que era uma versão do clássico homônimo, lançado em 1968 no também clássico Álbum Branco dos Beatles.

Um lance interessante é que embora achássemos que Jude era uma garota, era nada mais nada menos que Julian Lennon, filho de John, que acabava de se separar de sua esposa e deixando assim o filho em estado de profunda tristeza. A composição é de Paul McCartney, mas assinada como Lennon/McCartney conforme rezava o contrato.

Os britânicos cantavam assim: E sempre que você sentir a angústia / Ei, Jude, contenha-se / Não carregue o mundo / Em seus ombros / Com razão, você sabe que é o bobo / Quem mantém a cabeça fria / Por deixar este mundo um pouquinho mais frio / Na na na na na na na. Kiko nos mostrou assim: Muita coisa vai fazer você mudar / Não tem mais razão de ser essa tristeza / Se alguém te faz sofrer, pra que lembrar / Mas vale tentar viver de esperança. Fãs dos Beatles torcem o nariz para essa versão, mas muita gente só foi saber quem eram os Beatles após descobrirem que era deles essa canção.

No mesmo 1989, Titãs (a então melhor banda de rock nacional na época, segundo a crítica especializada e os leitores da Bizz, além de ser a minha preferida também) colhiam os frutos de seu álbum lançado no ano anterior. Go Back. Gravado ao vivo no Festival de Montreaux e primeiro Live deles (quando ainda eram 8), as rádios pipocavam o sucesso Marvin. Cantado por um Nando Reis baixista e estranhamente estranho, a saga do garoto Marvin, que trabalhava feito um burro nos campos, invadia todas as casas.

Numa busca de época, descobriram que era uma releitura de uma obscura canção do álbum Titãs, estreia da banda em 1984. Até aí, tudo bem. Era o 5º álbum da banda, com musicas tiradas de seus quatro anteriores de estúdio.

Titãs em 1984 tinha muita influência de ska e no que vinha acontecendo também na Inglaterra (as fotos de divulgação lembram muito Madness), mas (pelo menos eu) não esperava que eles tivessem uma canção dos americanos da Chairmen Of The Board passadas para o português. Na verdade, até meados de 1998/99 eu nem sabia que existia uma banda com esse nome. Mas sim, querida petizada, Marvin é uma versão brasileira para Patches, musica do obscuro (para mim, pelo menos) grupo americano e faz parte do álbum Give Me Just a Little More Time, de 1970.

Os Titãs cantavam: Marvin, agora é só você / E não vai adiantar / Chorar vai me fazer sofrer / Marvin, a vida é pra valer / Eu fiz o meu melhor / E o seu destino eu sei de cor”, enquanto que os Chairmen Of The Board cantavam: Patches / Estou dependendo de você, filho / Para tirar a família do sufoco / Meu filho, tudo ficou por sua conta / Eu ainda posso ouvir meu pai quando ele disse “Patches, / Estou dependendo de você, filho / Eu tentei fazer o meu melhor / Cabe a você fazer o resto”. Patches é um personagem como Marvin e vem de Retalhos.

Capital Inicial nunca foi uma de minhas bandas preferidas por causa do timbre de voz de Dinho Ouro-Preto. Teve uma fase que eu gostei, quando o vocal era o Murilo alguma coisa e a banda era mais pesada.

Mas isso não importa. O fato é que Capital Inicial sempre trouxe alguma versão ou cover de bandas que foram influências para a banda. Assim, em 1991, em seu álbum Eletricidade, a banda trouxe O Passageiro como hit na época. Seu refrão Cantando, lá, lá, lá, lá, lá ra lá lá marcou e trouxe novos fãs para a banda. Era comum ouvir esse refrão em qualquer aglomeração juvenil.

A letra não teve muita alteração em sua versão nacional e o arranjo permaneceu numa cópia fiel da original, de Iggy Pop, The Passenger, lançado em 1977 no álbum Lust For Life, já em carreira solo. O refrão é o mesmo do Capital Inicial e embora seja uma versão (e conferi que eles realmente atribuem em seus registros que é uma versão da canção) muita gente ainda acha que eles são os autores da música. Vale a visitação nas duas versões.

E finalizando, chegamos em Marisa Monte e Bem que Se Quis. Até poucos dias antes dessa matéria, eu achava que era da Marisa Monte (ou algum compositor próximo à ela), mas nada mais é que uma versão da música E Po’ Che Fà do cantor italiano Pino Daniele. O álbum de estreia da cantora, lançado em 1989 sob o nome de MM, continha Bem que Se quis ainda no lado A, como segunda musica do LP produzido por Nelson Motta.

Já E Po’ Che Fà foi lançada em 1982 no álbum Bella ‘mbriana, do já citado Pino Daniele. Na versão de Pino, os versos iniciais são: E po’ che fà / Se resto a dire quel che non vorrei / Se presti tutto non respiri più / Ma po’ faje pace e nun ce puo’ passa / Pecchè ‘int’a vita nun se po’ maje sapè, enquanto nossa Marisa, a música começa com: Bem que se quis / depois de tudo ainda ser feliz / mas já não há caminhos pra voltar. / E o que é que a vida fez da nossa vida? /  O que é que a gente não faz por amor?

Vale ouvir cada uma das versões e tenho que confessar aqui, eu sempre confundo Marisa Monte com Marina. Sim, não tem nada a ver uma com a outra, mas sabe como é.

Enfim, terminamos esse bangue e o que nos espera para a próxima semana? Até mais!

VIDEOS

O Calhambeque: Roberto Carlos https://www.youtube.com/watch?v=fHUWzzYqTk8

Road Hog: John D. Loudermilke https://www.youtube.com/watch?v=vVpMvtCayt0

Ground Hog: The Watson Family (Essa é uma canção tradicional, achei esse grupo que recria canções folk antigas) https://www.youtube.com/watch?v=qbxoNcwi0AY

Hey Jude: Kiko Zambianchi https://www.youtube.com/watch?v=JGdzSl7xCGA

Hey Jude: The Beatles https://www.youtube.com/watch?v=UofocL1vcA8

Marvin: Titãs https://www.youtube.com/watch?v=KCawPZ2IbbQ

Patches: Chairmen Of The Board https://www.youtube.com/watch?v=Wpna8FUnpiM

O Passageiro: Capital Inicial https://www.youtube.com/watch?v=-6oj0iy1JKs

The Passenger: Iggy Pop https://www.youtube.com/watch?v=hLhN__oEHaw

Bem que se quis: Marisa Monte https://www.youtube.com/watch?v=SQnMgPqEVJU

E Po’ Che Fà: Pino Daniele: https://www.youtube.com/watch?v=ZB_Lc2O8w1Q

Advertisements

One thought on “10 músicas nacionais que são versão brasileira de 10 músicas internacionais (parte 2)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s