Bukowski numa bandeja

Acordei meio Bukowski

Hoje a noite será pequena

Vou enfiar o pé na jaca

E viver a vida boêmia

Comida que minha mãe

Me disse para não comer

Fará mal pra minha barriguinha

Me impedirá de crescer

Vou encher a minha barriga

Com muita cerveja gelada

Minha barriga tanquinho

Ficará estufada

Comida podre de um food truck

Cerveja de 30 lascas

Gourmetizei a boêmia

Batizando de balada

No fundo jaz um corpo

Que me olha com tristeza

Assim vou servindo

“Seu” Bukowski numa bandeja

O que posso Imaginar?

foto: Benjamin Earwicker
foto: Benjamin Earwicker

por: Camila Sandes

O que posso imaginar da vida
se, ao final, o brilho vira ferida,
o vendaval toma conta da brisa
e me vejo perdida e só na avenida?

O que posso imaginar dos sonhos
se, ao final, o príncipe vira um sonho medonho,
o pranto transforma o rosto risonho
e acordo perdida e só no quarto tristonho?

O que posso imaginar de você
se, ao final, nem seus versos posso ler,
o brutal desdém me faz o engrandecer
e me encontro perdida e só ao anoitecer

Não deixe

autumn forest trees. nature green wood sunlight backgrounds.
Imagem: freepik.com

Imagine
Que essa é sua única oportunidade
Seu último abraço
Seu último beijo
O último olhar
O último sentir

Imagine…
Não ver mais o brilho do sol ou a claridade da lua
Não sentir mais o vento tocar-lhe a pele, agitar-lhe o cabelo
Que não verá mais aquele sorriso que tanto lhe agrada
Não dará mais aquela risada solta e descontraída
Não se divertirá com a bagunça das crianças
Com o calor da pessoa que ama
Com os amigos que encontra

Imagine
Sua última caminhada
Sua última corrida
Sua última lágrima
Seu último sorriso
Seu último grito

Imagine e veja o que você seria capaz de fazer para viver cada instante desse e tantos outros com toda a intensidade, com toda a pulsação da vida que lhe bate no peito e está aí, presente em você, em nós.

Agora, pare de imaginar e viva. Viva agora!

Janelas

Janela
Decidi abrir as janelas quando as portas não abrirem mais,

Assim consigo enxergar as novas possibilidades,

Analisá-las e formular uma nova estratégia.

Agora é o momento,

Resolvi viver pra mim e fazer meus planos sozinha,

Acreditar no melhor.

Me encontrar comigo mesma,

Sem receio,

Ser minha própria canção,

Fazer com que o meu brilho seja maior.

Mas enfrentar o meu maior medo, ficar sozinha.

Eita!

por: www.sxc.hu
por: http://www.sxc.hu

Por: Dolores da Silva

O que é mistério?
Sei que não sei de nada
É algo que não imaginei
E nem é tão sério assim.

O que é amor?
É uma droga estimulante
Não é lícita
E muito menos ilícita
É apenas viciante.

O que é saudade?
Lembrei-me de tudo num instante:
E eis o momento aqui
Agora mesmo, no presente
Só fica o que é importante.

O que não é saber?
O que é sentir?
E o que é não esquecer?
Eita!
Só queria escrever.

Enraizado na sarjeta

21742_373649282820046_5104485404034060170_n

Era tarde demais
Quando percebeu que ainda era cedo
Não dava para voltar atrás
A linha do encanto não tinha mais conserto

Quantos momentos e perdões
Foram dispensados, mas você não viu
Murou-se com sua arrogância
Então um dia sem esperar seu muro ruiu

Então uma personalidade perdida
Em meio a uma floresta de gente
Sozinha em meio à multidão
Só as costas é o que te dão de presente

Não adianta ajudar
Quem não se move para ser ajudado
Não adianta tentar levantar
Quem se acostumou a ficar deitado

Procurando piedade alheia
Procurando compaixão e mimação
O intuito é apenas ser mais um coitado
Que se acomodou com sua situação

De merda

Tal qual o vento

freepik6
foto por: freepik

Eu prefiro ser tal qual o vento
E soprar por aí
no verão, no relento,
no olho do furacão

espalhar as sementes
que vão germinar
Soprar pra bem longe, viajar
E aprender coisas sobre o mar

corais, anéis de atóis
varrer o convés,
estufar as velas
apontar aos faróis

jogar tudo pro ar
tocar a pele,
refrescar dos sóis
das 10, das 11, do meio-dia
na estação do inverno
vir com a frente fria

passar por entre dedos
cabelos
fios e florestas
edifícios

Lufar implacável
pra dar e tirar alento
encher o pulmão de alívio
levar o sofrimento

Trazer o cheiro de jasmim
e o cheiro do almoço
dar movimento nos tecidos de um esboço
e no vestido daquela moça angelical
a atmosfera é o limite espacial

Sim, eu prefiro ser tal qual o vento
e me dispersar
Do que procurar sustento que não para em pé
tropeçar
em mais uma noite de filosofia

A Vaga

carran
foto:littlevisuals

Estacionei no lado certo
muito tempo eu fiquei
ninguém me viu na vaga
e a vida era vazia

Lá no lado errado
receberam atenção
Cochichavam
e apontavam à revelia

O guarda escrevia bilhetes
mas nunca apertou-me a mão em cumprimento
Nem um mísero bom dia

Decidí,
já que nunca recebi os parabéns
mudar de vaga
Ver se o errado me preenchia

Apontavam, cochichavam
Só queriam a razão
E a solução, quem sabe?
Ninguém perseguia

O bilhete que o guarda escreveu
deu prejuízo
Ainda fiquei sem parabéns
e sem bom dia

Foi aí que percebi
qualquer vaga faria sentir-me vago
O problema não é lado

Demorei a perceber
Por isso, não entendia
O problema era ficar estacionado

Agora eu é que me guardo
Meus dias sempre são bons
e o lado, desde então, é sempre o meu

A razão, não quero mais
Atenção, só na estrada e no painel
pra durar mais o meu pneu

Medo

Every black cloud has a silver lining

Era uma vez um jovem,
Que vivia em uma vida de medo.

Medo de perder os pais,
medo de ser assaltado.

Medo de ficar desempregado,
medo de não ouvir um obrigado.

Medo de pegar trânsito,
medo de ouvir um disparo.

Medo de morar sozinho,
medo de morrer solteiro.

Medo de ter um filho,
medo de não deixar legado.

Medo de perder a hora para acordar,
medo de se arrepender por ter acordado.

E assim seguiu o jovem,
vivendo de medos.

Porém, algo sempre foi vago.
Viveu o jovem com medo de viver a vida,
Ou morreu com medo de não vive-la?

Obrigado

Gratidão

Por: Dolores da Silva

Acordei com aquela alegria despreocupada
Feliz por respirar.

Não sei nada do amanhã
Menos ainda das verdades inverossímeis.
Só agradeço a oportunidade
Que pode ser (ou não) a única.
Não importa.
Se um dia o pássaro não voltar,
A árvore não der mais fruto.
Estou certo que um dia ele voou
E que já comi fruto saboroso.

Houve espinhos, mas o que dizer das rosas.

Obrigado!